quinta-feira, 28 de abril de 2016

Quinta da Calçada reserva branco 2013

Veio parar ao meu copo mais um vinho branco. 
Podia ser um vinho verde, mas esta empresa resolveu engarrafar como Regional Minho.
Feito com Alvarinho, Loureiro e Arinto. Tem uma cor amarelo claro, sem ser muito claro.
No nariz é logo o Alvarinho que se faz notar com aquele cheiro mais tropical, muito perfumado, tipo maracujá.
Na boca muda tudo de figura pois as outras duas castas vêm trazer a acidez necessária para que este vinho se torne um caso muito sério. 
E tem uma coisa que eu cada vez mais gosto, só 12%!
Está muito bem feito e devia ser mais conhecido. É um vinho que necessita de comida para se expressar.
Acompanhou na perfeição uma massa de tamboril com camarão.

Atenção que não é para beber demasiado fresco!!!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Fairview Sauvignon Blanc 2015

Todo o enófilo deve chegar a uma altura em que tem de beber vinhos estrangeiros. Só assim consegue ter uma percepção do que se faz por esse mundo fora, de modo a que deixe de dizer que o nosso vinho é o melhor!
Eis mais um vinho, e este vem da África do Sul da região de Paarl.
Apresenta uma cor ligeira, tipo um amarelo pálido. No nariz vem aquele cheiro característico a frutos tropicais, muito típico nos vinhos brancos do novo mundo.
Na boca muda tudo de figura. Toques ácidos de lima e o vegetal dos espargos verdes fazem deste vinho uma coisa muito boa. Tem uma boa persistência na boca.
Não sei se conseguem evoluir muito, visto ser difícil de arranjar, mas como tenho a sorte de ter amigos a trabalhar lá, de vez em quando lá vem uma garrafa.
Sabe bem beber coisas destas e os nossos produtores deviam ter atenção a estes vinhos.

Um conselho: Esqueçam os xaropes que andam por ai pá!!!!!